TÚMULO DO SOLDADO DESCONHECIDO

Túmulo do soldado desconhecido é o nome que recebem os monumentos erigidos pelas nações para honrar os soldados que morreram em tempo de guerra sem que os seus corpos tenham sido identificados. Por vezes é um túmulo simbólico, ou cenotáfio, evocando todos os habitantes de um país que morreram em determinado conflito sem identidade conhecida, embora alguns contenham os restos mortais de soldados falecidos durante esses acontecimentos.

TOMB OF THE UNKNOWN SOLDIER

Throughout history, many soldiers have died in wars without their remains being identified. In modern times, nations have developed the practice of having a symbolic Tomb of the Unknown Soldier that represents the war grave of those unidentified soldiers. They usually contain the remains of a dead soldier who is unidentified (or "known but to God" as the stone is sometimes inscribed) and thought to be impossible ever to identify, so that he might serve as a symbol for all of the unknown dead wherever they fell. The anonymity of the entombed soldier is key to the symbolism of the monument: since his or her identity is unknown, it could theoretically be the tomb of anyone who fell in service of the nation in question, and therefore serves as a monument to all of their sacrifices

domingo, 17 de outubro de 2010

domingo, 11 de julho de 2010

MAUSOLEU AO SOLDADO CONSTITUCIONALISTA DE 1932 - São Paulo, SP, Brasil

MONUMENTO
O monumento se destaca pela sua grandiosidade na paisagem paulista com seu obelisco sobre uma cripta subterrânea em formato de cruz grega, onde repousam os restos mortais dos heróis ex-combatentes da Revolução Constitucionalista de 1932.

OBELISCO
Homenageia a Revolução Constitucionalista de 1932, seus heróis anônimos, “mártires”, a causa constitucionalista, as personalidades que mais se destacaram como o poeta Guilherme de Almeida e o “tribuno” Ibrahim Nobre, bem como o dia em que foi deflagrada a revolta armada contra o governo de Getúlio Vargas – “9 de julho”.
Tem 72 metros de altura revestido de mármore travertino. Cada face do obelisco volta-se para um dos quatro pontos cardeais. Em cada uma delas, encontram-se quatro figuras em alto-relevo, com 5,75 metros de altura. Os dezesseis relevos ornamentam o terço inferior do obelisco e aludem à luta militar da Revolução de 1932 e aos feitos dos bandeirantes. Entre os relevos, estão inscritos versos de Guilherme de Almeida:

“AOS ÉPICOS DE JULHO DE 32 QUE, FIÉIS CUMPRIDORES
DE SAGRADA PROMESSA FEITA A SEUS MAIORES
OS QUE HOUVERAM AS TERRAS E AS
GENTES POR SUA FORÇA E FÉ
NA LEI PUSERAM SUA FORÇA
E EM SÃO PAULO, SUA FÉ”.

Na base do obelisco, duas portas de formato reto, de bronze com cerca de 3,5m de altura por 2m de largura, instaladas nas faces norte e sul, denominam-se Porta da Vida e Porta da Glória, respectivamente. Com cenas em alto-relevo, a primeira exalta a capacidade de trabalho do povo bandeirante, enquanto a outra retrata a partida dos voluntários para as linhas de frente e o sacrifício dos jovens.

CRIPTA
Na entrada da cripta que leva ao subsolo , três arcos lembram as arcadas da Faculdade de Direito do Largo São Francisco, de onde saíram grande parte dos constitucionalistas.
Em formato de cruz grega, a cripta que mede 5 metros x 110 metros x 81 metros, sustentada por vários arcos alusivos à Faculdade de Direito, abriga uma capela e os despojos dos ex-combatente, heróis anônimos, “mártires”, a causa constitucionalista. Acima dos arcos, encontra-se a inscrição:

“VIVERAM POUCO PARA MORRER BEM
MORRERAM JOVENS PARA VIVER SEMPRE”

Três portas de bronze entre os arcos dão acesso do exterior do Monumento ao interior da cripta, e todas elas abrem-se para o exterior, para o mundo, tal como os portais do cemitério da velha Europa.
No centro da cruz que forma a cripta, localiza-se o túmulo dos primeiro que caíram com a Revolução: Miragaia, Martins, Dráuzio, Camargo (MMDC), além de Paulo Virgínio.


 Uma escultura em mármore do “Soldado Desconhecido”, repousa sobre um bloco retangular maciço de mármore com os nomes gravados dos primeiros que tombaram no movimento. O bloco foi colocado sobre uma bandeira paulista que cobria os combatentes. Sobre esse tumulo, que é exatamente o centro da cruz da cripta está num nível superior, a base do obelisco, em formato de um obus de canhão, sendo uma circunferência imaginaria formada pela base do obelisco. Suas paredes são revestidas com painéis em mosaicos representando a história de São Paulo em todo o perímetro do circulo. Nessa parte superior , duas portas de bronze em estilo reto que se abrem de fora para dentro, ricamente decorada com esculturas em relevo que representam a epopéia revolucionária do povo paulista. As portas estão colocadas nas faces norte e sul, representando a “Porta da Vida” a da face norte, virada para a avenida 23 de maio e a outra, “Porta da Gloria” na face sul, virada para o parque do Ibirapuera. Na parte inferior, o conjunto representa o “Soldado” que vela por seus Heróis , por sua Bandeira e pela Constituição, motivo principal da revolução. Seu olhar fixa a base do obelisco.
Internamente o obelisco representa um canhão a ser acionado pelo herói no caso de violação da Constituição, enquanto que externamente . representa a lâmina de uma espada que atravessa o coração de São Paulo, acolhendo os filhos mortos em terra paulista por tão nobre causa. Essa foi a intenção do artista

CONSTRUÇÃO
As primeiras providências para a construção de um monumento ao soldado constitucionalista de 1932 foram tomadas em 1934, com a criação de uma Comissão Pró-Monumento por personalidades de destaque da sociedade paulistana. Um concurso público para a escolha do projeto foi realizado em 1937. O edital exigia que a obra fosse eminentemente arquitetônica e não apenas escultórica, devendo destinar espaço para acolher as urnas funerárias dos chamados “heróis constitucionalistas”. Para a seleção final, classificaram-se Mário Ribeiro Pinto e as duplas Galileo Emendabili e Mário Eugênio Pucci, Yolando Mallozzi e Arnaldo Maria Lello. Os projetos foram expostos no foyer do Teatro Municipal de São Paulo, atraindo grande público. Da comissão julgadora faziam parte Mário de Andrade, Júlio César Lacreta, Amador Cintra do Prado, Dácio A. de Moraes e Victor Brecheret. Por decisão unânime, o trabalho de Galileo Emendabili (Ancona, Itália, 1898 – São Paulo, 1974) e Mário Eugênio Pucci (São Paulo, 1908 – 1985) foi selecionado. Pucci era engenheiro e ficou responsável pela parte técnica da construção.
Apesar dos esforços na arrecadação de fundos para a construção, o projeto não saiu do papel durante todo o período da ditadura Vargas, contra quem se fizera a “Revolução”. Entre as muitas dificuldades, as verbas disponíveis não cobririam os custos com mão-de-obra e materiais.
O lançamento da pedra fundamental ocorreu no dia 9 de julho de 1949. Tanto o Governo do Estado quanto a Prefeitura destinaram recursos para a construção, a cargo da “Fundação Monumento e Mausoléu ao Soldado Paulista de 32”. O Decreto Municipal nº 1.078 de 6 de julho de 1949, determinava que o “Monumento aos Mortos de 32” deveria ser erigido “na parte central da praça circular localizada no prolongamento da avenida Brasil, a 1.100,00 metros, aproximadamente, da avenida Brigadeiro Luís Antônio.”
As obras começaram em 1950 e, cinco anos depois, o monumento foi inaugurado parcialmente em 1954, ocasião em que a terra bandeirante completava seu IV Centenário, quando para lá foram trasladados os despojos dos Heróis da Revolução Constitucionalista, Miragaia, Martins, Dráuzio, Camargo e Paulo Virgínio " ainda antes da inauguração A partir de então, todos os anos, durante as cerimônias do “9 de julho”, os restos mortais de inúmeros ex-combatentes passaram a ser transladados para a cripta. À Sociedade Veteranos de 32 – MMDC cabia a organização dessas solenidades e a administração do monumento. A conclusão das obras ocorreu somente em 1970.

CURIOSIDADES
Galileu Emendabili usou uma simbologia mística no monumento, representada pelo número 9, data máxima da Revolução.
Nove são os degraus que conduzem à cripta do Monumento; a altura do Obelisco da base até o topo é de 72 metros (7+2 =9) e da cripta até o topo a distância é de 81 metros (8+1=9, além do que 81 é o quadrado de 9). Se fizermos à soma aritmética desses valores (72 e 81) teremos 7+2+8+1=18 (1+8=9).

Fontes:
www.flickr.com/photos/artexplorer/sets/72157604084423707/
www.prefeitura.sp.gov
Formatação e pesquisa: Helio Rubiales

quarta-feira, 31 de março de 2010

TÚMULO DO SOLDADO DESCONHECIDO - Moscou



Troca de guarda
O Túmulo do Soldado Desconhecido russo está localizado ao lado do Muro do Kremlin, em Moscou. O primeiro magistrado da Nação acendeu a Chama Eterna, símbolo dos soldados tombados na Guerra do povo soviético contra os invasores nazi-fascistas, a qual hoje reocupou sua morada histórica no Jardim “Aleksandrovski” depois de transportada em um veículo blindado do Morro da Reverência, seu abrigo provisório, para onde havia sido transferida enquanto durassem as obras de restauro do complexo memorial para as comemorações do 65º aniversário do fim da guerra.
DESCRIÇÃO
Base tumular retangular em granito polido marrom representando um sarcófago. Do lado direito, em bronze, uma bandeira pende na borda sobreposta por um capacete de combate. Na frente, num quadrado rebaixado, placas de bronze colocadas no piso com uma grande pira em forma de estrela no centro. 
LOCAL: Muro do Kremlin, Jardim Aleksandrovsk, Moscou
Fotos:P.P.Dondelli
Descrição Tumular:HRubiales

TÚMULO DO SOLDADO DESCONHECIDO - Grécia


Troca de guardas
A Tumba do Soldado Desconhecido é um cenotáfio existente em frente à sede do Parlamento grego, na Praça Sintagma, em Atenas, onde os evzones, soldados da Guarda Presidencial trajados em fardas históricas, fazem a vigília. Sua construção começou em 1929 e foi inaugurado em 25 de março de 1932.
DESCRIÇÃO
O monumento é formado por um grande nicho onde está um baixo-relevo mostrando uma figura deitada de soldado grego da antigüidade. Ao pé está um altar e em ambos os lados diversas inscrições comemorativas.
Fotos: pt.,wikipedia.org
Descrição Tumular:HRubiales

segunda-feira, 9 de fevereiro de 2009

BAGHDAD ' UNKNOWN SOLDIER -ArteTumular-Bagdá, Iraque








Vista aérea

Vista do satélite
O Monumento ao Soldado Desconhecido foi inspirado pela exaltação de um mártir da guerra Irão-Iraque. O que parece para muitos como um disco voador , representa um escudo tradicional iraquiano .. O monumento também abriga um museu no subsolo. A colina artificial se apresenta como um cone truncado de 250 m de diâmetro. É cercado por vigas inclinadas de seção triangular que são cobertos com mármore.
Granito vermelho no piso. De forma elíptica , a perte interna da cúpula tem esculturas de cubículos dando um aspecto de colméia. A haste de aço é totalmente coberto com vidro. Painéis fixados em aço inoxidável e exibindo armas e cores da bandeira nacional. A cúpula tem 42m de diâmetro e acompanha uma inclinação de 12 graus. É a superfície externa é com cobre, enquanto que a sua superfície interior apresenta um i acabamento e forma piramidal , alternando módulos de aço e cobre. O passeio é coberto por uma superfície semi-circular, plana apoiada sobre um telhado triangular de aço . O telhado está coberto com uma chapa de cobre . Todo o complexo é envolvido por um espelho de água com chafariz
O cubo sob o escudo é feito de sete camadas de metal, para representar os sete níveis do Céu na fé islâmica. Dentro das camadas de metal são folhas de acrílico vermelho, que representa o sangue dos soldados iraquianos mortos. O cubo em si é ligado ao museu subterrâneo por um longo eixo com janelas que permitem que a luz brilhe em cima. Dentro do museu, os visitantes podem olhar-se no limite máximo e ver o cubo com a abertura acima. 
O museu subterrâneo não é iluminado, exceto para a luz que brilha em janelas a partir do acima exposto. Os visitantes devem trazer seus próprios lanternas para ver as numerosas relíquias guerra. 
Visitando o monumento é permitido durante o dia, apesar de visitantes deve pedir permissão ao soldados iraquianos, que guarda o monumento antes de se aproximar do monumento.
LOCAL: Bagdá, Iraque.
Fotos:
Formatação, pesquisa e descrição tumular: HRubiales

IGNOTO MILITI ITALIANO-Arte Tumular-11-Itália



Deusa Roma sobre o túmulo

COMPLEXO MONUMENTAL DO VITTORIANO
O Soldado Desconhecido italiano
Em 1920, o então Coronel Giulio Douhet, com base em iniciativas semelhantes já executadas na França e outros países envolvidos no projecto "Grande Guerra", para homenagear aos soldados mortos italiano cujos restos não foram identificados, com a criação de um monumento ao Soldado Desconhecido, em Roma. 
Criou-se então, o Túmulo do Soldado Desconhecido no complexo monumental do Vittoriano na Piazza Venezia, Roma. Sob a estátua da deusa Roma, foi enterrado o cadáver de um soldado desconhecido italiano, selecionados entre aqueles mortos na Primeira Guerra Mundial. A escolha foi feita por Maria Bergamas, mãe de um voluntário, Antonio Bergamas que havia desertado das forças austríacas e aderio às forças italianas e foi morto em combate em combate , sem que o seu corpo fosse encontrado.
Em 26 de Outubro de 1921, na Basílica de Aquileia, Maria escolheu o corpo de um soldado dentre outros onze cadáveres de soldados mortos e que não foram identificados. A mulher foi colocada em frente de onze caixões alinhados . Quando passou na frente dos primeiros caixões, gritando emocionalmente o nome de seu filho desabou no chão em frente de um caixão, que é o que foi escolhido. Os dez restantes restos mortais foram enterrados em Aquileia, no cemitério de guerra em torno do templo romano. Desse modo foi escolhido o soldado desconhecido italiano.

TÚMULO
O corpo foi depositado no monumento em 4 de novembro de 1921 , situado no Complexo Monumental do Vittoriano, tem-se acesso por uma grande escadaria que termina numa grande área com o piso decorado. Uma outra escadaria menor, ladeada por piras em bronze com uma chama permanente, simbolizando a eternidade, chega-se ao túmulo. Uma base tumular em mármore com as inscrições:”IGNOTO MILITI”, com as datas MCMXV e MCMXVIII (1915-1918). Sobre essa base uma enorme coroa alegórica em bronze simbolizando a gloria. Logo acima uma enorme escultura da deusa Roma, protege o túmulo. Permanentemente o tumulo é protegido por dois soldados de honra.
LOCAL: Piazza Venezia, Roma, Itália 
Formatação, pesquisa e descrição do memorial:Hrubiales
Fonte e fotos: Wikipidea

sábado, 7 de fevereiro de 2009

BULGARIAN ' Unknown Soldier-Arte Tumular-10-Bulgária









HISTÓRIA
The Monument to the Unknown Soldier Bulgarian:( Паметник на незнайния войн, Pametnik na neznayniya voyn)
O Monumento ao Soldado Desconhecido búlgaro: Паметник на незнайния войн, Pametnik nd neznayniya voyn) é um monumento no centro de Sófia, capital da Bulgária, localizada na Igreja de St.Sophia do século VI, na 2 Paris Street.
O monumento homenageia centenas de milhares de soldados búlgaros que morreram nas guerras para a sua pátria. É o lugar onde habitualmente há cerimônias envolvendo o presidente da Bulgária e lideres de estado estrangeiros.
ARQUITETURA
O monumento foi projetado pelo arquiteto Nikola Nikolov e inaugurado em 22 de setembro de 1981. O Monumento ao Soldado Desconhecido foi concebido com uma parede de blocos de granito encostados na Igreja , num nível mais baixo do que o piso normal.. No centro da base tumular há uma pira de bronze que mantém uma chama permanente simbolizando a eternidade, além de duas coroas, também em bronze simbolizando a glória. Homenageia duas das mais importantes batalhas da Guerra russo-turca de libertação (a Batalha de Stara Zagora e Batalha de Shipka Pass). A imponente escultura de um leão (um símbolo nacional da Bulgária) e símbolo da vigilância, também em bronze, foi executado pelo escultor Andrey Nikolov, Foi gravado no granito logo acima da pira a inscrição de uma estrofe de um poema de (Slivnitsa 1885) pelo escritor búlgaro Ivan Vazov :

“БЪЛГАРИЙО, ЗА ТЕБЕ ТЕ УМРЯХА,
ЕДНА БЕ ТИ ДОСТОЙНА ЗАРАД ТЯХ
И ТЕ ЗА ТЕБ ДОСТОЙНИ, МАЙКО, БЯХА!”

“O BULGARIA, FOR YOU THEY DIED,
ONLY ONE WERE YOU WORTHY OF THEM
AND THEY OF YOU WORTHY, O MOTHER, WERE!”

“Ó Bulgária, por que eles morreram,
Eles apenas foram dignos.
E você digna deles
Ó Mãe, foram!”

LOCAL: Igreja de St.Sophia, Sófia, Bulgaria
Formatação pesquisa e descrição tumular: HRubiales

WARSAW TOMB-UNKNOWN SOLDIER

MAUSOLÉU (click on image to enlarge)
VISTA DA ENTRADA
VISTA POR TRÁS

Túmulo do Soldado Desconhecido, em polonês: :Grob Nieznanego Żołnierza; é um monumento em Varsóvia, na Polónia, dedicada aos soldados desconhecido que deram suas vidas para a Polónia. É um túmulo de muito significado nacional e foi construído após a I Guerra Mundial..
Em 4 de abril de 1925, o Ministério da Guerra mandou seleccionar num campo de batalha a partir da qual as cinzas de um soldado desconhecido seria trazido para Varsóvia. Foi escolhido, em outubro de 1925, pelo Lwów 's Łyczakowski Cemitério, três caixões que foram exumados: o selecionado foi de um sargento desconhecido sargento. O caixão que estava para ser transportado para Varsóvia foi escolhido por Jadwiga Zarugiewiczowa, mãe de um soldado que tinha caído em Zadwórze e cujo corpo nunca foi encontrado. Essa é a história do soldado desconhecido polonês.
CONSTRUÇÃO DO TUMULO
O túmulo foi projetado pelo famoso escultor polonês, Stanislaw Kazimierz Ostrowski. Ele está localizado no interior da arcada que ligava as duas asas simétricas do Palácio Saxônio, à sede do Ministério de Guerra. A parte central é rodeada por 5 eternas chamas e 4 pilares com nomes e datas de batalhas em que soldados polacos tinham lutado durante a I Guerra Mundial e daGuerra polaco-soviética. Atrás do Túmulo de metal há duas grelhas ostentando emblemas dos dois mais altas medalhas militares polonesas -o Virtuti Militari e os Krzyż Walecznych (Cruz de Valor).


Os locais onde era mencionado as batalhas da Guerra polaco-bolchevique, foram retiradas após a II Guerra Mundial pelos soviéticos e autoridades comunistas da Polônia e escondido nos porões do Museu do Exército polonês em Varsóvia. Após a Polônia ter recuperado a sua independência em 1989, os painéis s foram restaurados e estão atualmente em exposição no mesmo museu, enquanto os das batalhas no próprio túmulos, onde foram remodelado e ampliado para incluir o original das batalhas


Durante a Guerra de 1939, onde a Polônia se defendeu, dos ataques alemães, o edifício foi ligeiramente danificado pelo bombardeamento aéreo alemão, mas foi rapidamente reconstruído e apreendidos pelas autoridades alemãs. . Em Dezembro de 1944 o palácio foi completamente demolido pelaWehrmacht. Apenas parte dos serviços centrais colunata, que abriga o túmulo, foi preservada.
Depois da guerra, em finais 1945 começou a reconstrução. Apenas a pequena parte do palácio que contém o túmulo foi restaurado por Henryk Grunwald. Em 8 de maio de 1946 foi aberto ao público. Foram acrescentadas urnas e mais tabelas com nomes de batalhas em que os poloneses lutaram na II Guerra Mundial. No entanto, as autoridades comunistas apagarão todos os vestígios da Guerra polaco-bolchevique de 1920 e apenas uma pequena parte das batalhas do Exército Polonês no Ocidente foi incluído. Isso foi corrigido em 1990, depois que a Polónia recuperou a sua autonomia política. Existem também planos para reconstruir o Palácio saxónico, mas não se sabe quando esses planos serão realizados.
LOCAL: Varsovia, Polônia.
Formatação, pesquisa e descrição do memorial: HRubiales

INDIA GATE - AMAR JAWAN JYOTI

INDIA







A INDIA GATE ou AMAR JAWAN JYOTI é um dos maiores monumentos de guerra na Índia situado no coração de Nova Deli. É um proeminente marco de Nova Deli e comemorava os membros do antigo Exercito Britânico-Indiano. Que perderam a vida lutando pelo Império Indiano, I Guerra Mundial e da Guerra Afegã, Originalmente havia uma estatua do rei George V. Foi removida e colocada no Coronation Park. Após a independência da Índia, tornou-se o local da Porta da Índia (Indian Gate) e está o TÚMULO DO SOLDADO DESCONHECIDO, conhecido como AMAR JAWAN JYOTI.
ARQUITETURA
O santuário em si é uma base em mármore preto com um fuzil colocado em cima, como se estivesse cravado, sobre a sua coronha esta colocado um capacete militar .Cada face do mausoléu negro, tem inscrito em ouro, a expressão "Amar Jawan" (Guerreiro Imortal). Esse conjunto tumular está situado na frente do portal .Tendo em cada um dos seus quatro cantos uma tocha com chama perpetua, representado a vida eterna.. Foi inaugurada em 26 de janeirode 1972 pelo então primeiro-ministro Indira Gandhi, Hoje, é habitual que o Presidente e o Primeiro-Ministro, bem como visitantes e hóspedes de Estado, visitem o local em ocasiões de cerimoniais.
O mausoléu foi desenhado por Edwin Lutyens
Formatação, pesquisa e descrição do memorial: HRubiales

sexta-feira, 6 de fevereiro de 2009

THE UNKNOWN WARRIOR-WESTMINSTER

INGLATERRA-ENGLAND



THE UNKNOWN WARRIOR-WESTMINSTER ABBEY
O túmulo do desconhecido Guerreiro, como foi chamado inicialmente, é de um soldado britânico não identificado, morto em uma batalha na Europa, durante a Primeira Guerra Mundial. Ele foi sepultado em Westminster Abbey, Londres, em 11 de novembro de1920, acabou virando um símbolo para os outros soldados que morreram anonimamente nos campos de batalhas. Atualmente é conhecido em todos os paises como : “Túmulo do Soldado Desconhecido”
INICIO
A ideia de um Túmulo do desconhecido Guerreiro foi concebido, pela primeira vez, em 1916 pelo Reverendo David Railton, que, enquanto servindo o exercito como Capelão na Frente Ocidental, tinha visto um túmulo marcado por uma rustica cruz, que tinha escrito a lápis : "Um britânico Soldado Desconhecido".
Ele escreveu para o Decano de Westminster, em 1920 propondo que um soldado britânico não identificado nos campos de batalha da França , deveria ser enterrado com a devida honra e cerimônia em Westminster Abbey "entre os reis" para representar as muitas centenas de milhares de soldados mortos. A idéia foi fortemente apoiada pelo Reitor e pelo primeiro-ministro Lloyd George. Houve oposição inicial do Rei George V (que receava que tal cerimônia iria reabrir as feridas de uma guerra recentemente concluída) , , mas uma onda de apoio emocional a partir do grande número de famílias enlutadas garantiria a sua aprovação. A partir dessa data, todos os paises começaram a cultuar o “Tumulo do Soldado Desconhecido”
TÚMULO
No final oeste da nave Abadia de Westminster, esta o túmulo do Unknown Warrior, cujo corpo foi trazido da França para ser enterrado em 11 de Novembro de 1920. O túmulo, que contém terra da França, é coberto por uma laje de mármore negro belga de uma pedreira perto de Namur. Em que há a seguinte inscrição, composta por Herbert Ryle, Decano de
Westminster:

BENEATH THIS STONE RESTS THE BODY OF A BRITISH WARRIOR UNKNOWN BY NAME OR RANK BROUGHT FROM FRANCE TO LIE AMONG THE MOST ILLUSTRIOUS OF THE LAND AND BURIED HERE ON ARMISTICE DAY 11 NOV: 1920, IN THE PRESENCE OF HIS MAJESTY KING GEORGE V HIS MINISTERS OF STATE THE CHIEFS OF HIS FORCES AND A VAST CONCOURSE OF THE NATION THUS ARE COMMEMORATED THE MANY MULTITUDES WHO DURING THE GREAT WAR OF 1914-1918 GAVE THE MOST THAT MAN CAN GIVE LIFE ITSELF FOR GOD FOR KING AND COUNTRY FOR LOVED ONES HOME AND EMPIRE FOR THE SACRED CAUSE OF JUSTICE AND THE FREEDOM OF THE WORLD THEY BURIED HIM AMONG THE KINGS BECAUSE HE HAD DONE GOOD TOWARD GOD AND TOWARD HIS HOUSE Around the main inscription are four texts: (top) THE LORD KNOWETH THEM THAT ARE HIS, (sides) GREATER LOVE HATH NO MAN THAN THIS and UNKNOWN AND YET WELL KNOWN, DYING AND BEHOLD WE LIVE, (base) IN CHRIST SHALL ALL BE MADE ALIVE.

Abaixo desta laje repousa o corpo do Guerreiro Britânico Desconhecido
por nome ou batalhão.Trazido da França para ser sepultado como o mais ilustre da terra
E aqui enterrado no dia do Armistício 11 Nov: 1920, na presença de Sua Majestade O Rei George V,Seu Ministro de Estado Os chefes de suas forças E uma grande multidão da Nação Assim se comemora a perdade multidões durante a Grande Guerra de 1914-1918 , e deu o máximo que homem pode dar a própria vida .DE DEUS DE REI E PAÍS
Entes queridos , para a casa e ImpérioPara o sagrado da Causa da Justiça e Liberdade dop Mundo Ele foi enterrado entre os Reis , porque Ele Tinha feito o bem para Deus e para a sua casa
Formatação. pesquisa e descrição do memorial:HRubiales

ARLINGTON NACIONAL CEMETERY - Tumulo do Soldado Desconheico -USA


vista frontal memorial

vista do tres túmulos 

troca da guarda


vista da colina

TUMULO DO SOLDADO DESCONHECIDO
Esta localizado no Cemitério Nacional de Arlington, é conhecido também como o túmulo dos desconhecidos. Fica no topo de uma colina com vista para Washington, DC. Esse tumulo é um dos mais visitados no cemitério. Foi construído com mármores do Colorado. É composto por sete peças, com um peso total de 72 toneladas. Foi inaugurado em 9 de abril de 1932 e custou $48.000 dolares. Inicialmente seriam depositados os restos mortais dos soldados da I Guerra Mundial. Posteriormente foram enterrados outros soldados desconhecidos, obviamente de outras guerras. Existem três soldados desconhecidos sepultados de três guerras:
I Guerra Mundial, sepultado em 11 de novembro de 1921, com honras prestadas pelo Presidente Warren G. Harding.
II Guerra Mundial, sepultado em 30 de maio de 1958, com honras prestadas pelo Presidente Dwight D. Eisenhower.
Guerra da Coréia, também sepultado em 30 de maio de 1958, com honras prestadas pelo Presidente Dwight Eisenhower e pelo Vice Presidente Richard Nixon.
Havia sido sepultado um soldado desconhecido da Guerra do Vietnã, em 28 de maio de 1984, com honras prestadas pelo Presidente Ronald Reagan, porém o mesmo foi identificado como Tenente Michael J.Blassie, que foi desenterrado sob a autoridade do Presidente Bill Clinton, em 14 de maio de 1998. Deste modo foi determinado que a cripta do soldado desconhecido da guerra do Vietnã permanecesse vazia.
O túmulo do soldado desconhecido é guardado permanentemente por soldados do Regimento de Infantaria do Exercito Americano desde 6 de abril de 1948.
Formatação, pesquisa e descrição do memorial:HRubiales

TYNE COT COMMONWEALTHE WAR GRAVES CEMETERY-Arte Tumular-05-Passchendale, Bélgica





TYNE COT COMMONWEALTH WAR GRAVES CEMITERY
HISTÓRIA
Tyne Cot Commonwealth War Graves Cemetery Memorial (Commonwealth War Graves Commission (CWGC)), é o cemitério para os mortos da I Guerra Mundial, na cidade de Ypres e seus arredores em combate na Frente Ocidental. Está localizado próximo da cidade de Passchendaele (Passendale), a alguns quilômetros ao nordeste de Ypres, na Bélgica.
O cemitério fica em um amplo local que domina a paisagem circundante. Como tal, a área foi estrategicamente importante para ambos os lados em combates . A área foi capturada pela 3 Divisão Australiana, 1 AIF, em 4 deOutubro de 1917 e dois dias mais tarde virou um cemitério aos mortos da guerra britânico e canadense . O cemitério foi recapturado pelos alemães em 13 de Abril de 1918 e foi finalmente libertado por forças belgas em 28 de Setembro
Depois do Armistício, em Novembro de 1918 o cemitério foi maciçamente aumentado do seu original, com 343 túmulos . A Cruz do Sacrifício que marca muitos CWGC cemitérios foi construída em cima de uma casamata alemã no centro do cemitério, supostamente, por sugestão do ReiGeorge V do Reino Unido que visitaram o cemitério, em 1922.
O cemitério foi desenhado por Sir Herbert Baker.
TYNE COT MEMORIAL AOS DESAPARECIDOS
O muro de pedras em torno do cemitério torna-se o Tyne Cot Memorial ao Desaparecidos. Após a conclusão do Menin Gate Memorial aos desaparecidos em Ypres, descobriu-se ser demasiado pequena para conter todos os nomes como inicialmente foi previsto Um ponto de corte arbitrário de 15 de Agosto de 1917 foi escolhido e os nomes dos desaparecidos no Reino Unido após esta data, foram inscritos no Tyne Cot memorial vez.
MORTOS
O memorial contém os nomes dos 33.783 soldados das forças britânicas, mais um adicional 1176 da Nova Zealanders Foi desenhado por Sir Herbert Baker, com esculturas de FV Blundstone que também esculpida parte do Terra Nova National War Memorial.
THE CROSS OF SACRIFICE
Na parte central do cemitério, erguida sobre uma base octogonal de blocos de pedra uma cruz latina em calcário pintada de branco, com uma espada de bronze no centro. A cruz representa a confiança da maioria dos mortos em Deus e a espada caracteriza um cemitério militar. Dentro da construção octogonal, na base da cruz uma coroa de bronze simbolizando a glória.
Formatação, pesquisa e descrição tumular: HRubiales

quinta-feira, 5 de fevereiro de 2009

MENIN GATE MEMORIAL-Arte Tumular-04- Menin, Bélgica


MENIN GATE MEMORIAL
Menin é uma pequena cidade flamenga ao leste de Ypres, na Bélgica. O nome Menin vem da palavra holandesa Menen , que significa cidade. Foi o ponto de partida que levou soldados aliados para a linha de frente durante a I Guerra Mundial. O Memorial foi projetado por Sir Reginald Blomfield e construída pelo governo Britânico. Foi inaugurado em 24 de julho de 1927. O monumento foi criado em homenagem aos quase 55.000 soldados do Império Britânico (inclusive Commonwhealt) mortos em solo belga, cujo paradeiro dos corpos é desconhecido. 
No interior do monumento, os nomes dos combatentes que nunca forão sepultados estão gravados nas paredes, além dos nomes de outros 7000 soldados que tiveram o mesmo destino em Flandres. 
É realizada anualmente uma cerimônia lembrando aqueles que combateram e tombaram na Grande Guerra. A cerimônia costumava contar com a presença de ex-combatentes. 
DETALHES DO MEMORIAL
A imagem do Memorial combina a arquitetura clássica de um arco e um mausoléu de vitórias. Contém por dentro e por fora, grandes painéis onde estão gravados os nomes dos oficiais e 54.896 homens da “Commonwealth”, forças que morreram na cidade de Ypres e arredores e que não foram sepultados. Acima do portal há um paciente leão da Grã-Bretanha, que também representa o leão de Flandes. Após a conclusão do Memorial, descobriu-se que era demasiado pequeno para conter todos os nomes, como inicialmente havia sido previsto. Arbitrariamente foram escolhidos os nomes de 34.984 britânicos desaparecidos. Nesse Memorial não estão registrados os nomes dos soldados desaparecidos da Nova Zelândia e Newfoundland.Os restantes foram registrados no ”Tyne Cot Memorial”
AUTOR: Sir Reginald Blomfield
MORTOS: Cerca de 62.000 soldados
LOCAL: Cidade de Ypres, Bélgica
Formatação, pesquisa e descrição do Memorial: HRubiales

MONUMENTO AOS MORTOS DA II GUERRA-Arte Tumular-03-Rio de Janeiro, Brasil


MONUMENTO AOS PRACINHAS



MONUMENTO NACIONAL AOS MORTOS DA II GUERRA MUNDIAL
Também conhecido como “Monumento aos Pracinhas”,foi concebido em três planos que são a Plataforma, o Patamar e o Subsolo, numa área de 6.900 m2. e inaugurado em 05 de agosto de 1960, no atêrro do Flamengo, marina da Glória.

A PLATAFORMA
A Plataforma é uma estrutura de concreto armado em forma de L, colocada a 3 metros do solo. É pavimentada com placas de granito preto Tijuca, Possui, para o seu acesso, uma escadaria de 30 metros de largura, com 26 degraus revestidos de granito preto Tijuca. Situados na Plataforma estão o Pórtico Monumental, o Túmulo do Soldado Desconhecido, a Escultura Metálica, o Grupo Escultórico e a Pirâmide.
PÓRTICO MONUMENTAL
O Pórtico Monumental é composto de duas colunas e uma placa sobreposta simbolizando dois braços levantados com as mãos abertas, pedindo graças aos céus, com 31 metros de altura e são revestidas de granito. Tem 220 metros quadrados de superfície, sendo toda ela em concreto aparente.
TÚMULO DO SOLDADO DESCONHECIDO
O Túmulo do Soldado Desconhecido está situado entre a duas colunas do Pórtico Monumental. Nele encontram-se os restos mortais de um soldado
brasileiro morto na Campanha da Itália, não identificado.
O Túmulo é revestido de granito preto Tijuca e traz a inscrição “O Brasil ao seu Soldado Desconhecido”.
Existe nele uma pira simbólica, em bronze fundido, permanentemente acesa.
ESCULTURA METÁLICA
A escultura metálica, de autoria do arquiteto e escultor Júlio Cesar Catelli Filho, representa uma homenagem à Aeronáutica. Possui aproximadamente
19 metros de comprimento e 6 toneladas de peso. Foi executada em perfis de aço, soldados e pintados, e está localizada sobre duas bases (viga e pilar-suporte) Sua concepção plástica está baseada em elementos de um avião estilizado.
GRUPO ESCULTÓRICO
O Grupo Escultórico foi esculpido em granito de Petrópolis. Possui 5 metros de altura e 16 toneladas de peso. Representa um marinheiro, um soldado e um aviador, homenageando as três Forças Armadas. É de autoria do escultor Alfredo Cheschiati, tendo sido executado por Tito Bernucci.
PIRÂMIDE
A Pirâmide é uma homenagem à Comissão de Repatriamento dos Mortos do Cemitério de Pistóia e às empresas que participaram da execução do
Monumento. Nela se encontram inscrições relativas à obra, inauguração, comissões e equipe responsável pelo projeto. Foi feita em granito Juparanã lustrado.
O PATAMAR
O Patamar está no nível da praça onde encontram-se o museu, o jardim interior, o lago, os dois painéis de cerâmica que ladeiam a entrada para o mausoléu e os mastros.
O SUBSOLO: MAUSOLÉUO 
No Mausoléu, estão depositados, em jazigos com lápides de mármore Carrara branco, os restos mortais de 4 marinheiros, 8 aviadores e 454 soldados.
Numa das paredes revestida de mármore branco Paraná e quartzito verde Bahia, estão gravados os nomes de 1121 soldados e marinheiros das Marinhas de Guerra e Mercante.






AUTORES
Projeto: Marcos Konder Netto e Hélio Ribas Marinho. Escultura metálica: Júlio César Catelli Filho. Painéis de ceâmica: Araújo Medeiros.
MORTES: 943 soldados brasileiros morreram em combate.
LOCAL: Rio de Janeiro, Brasil
Formatação, pesquisa e descrição do memorial: Helio Rubiales
Fonte e fotos: Fundação Cultural do Exército Brasileiro e Emanuel Messias

ARCO DO TRIUNFO-Túmulo do Soldado Desconhecido-02-Arte Tumular-Paris, França







ARTE TUMULAR
Laje de granito acinzentado com a frase gravada: “Ici repose um soldat français mort pour la patrie” (Aqui repousa um soldado francês morto pela pátria). Ladeando essa laje em todo o seu perímetro uma lamina decorativa em bronze, linha divisória do umbral, entre a vida e a morte. Na cabeceira tumular uma pira ricamente decorada em cobre e que é acesa todos os dias, simbolicamente a tocha da pira identifica-se com o Sol e constitui o símbolo da purificação através da iluminação. Na parte que representa a parte frontal do memorial, fora da linha divisória há um escudo em bronze e uma espada sobre um ramo de palma que representa a glória e a vitória, representando o triunfo dos mártires sobre a morte; a espada representa militarismo e que o morto foi um militar. De cada lado do escudo saem faixas alegóricas que faz alusão à tristeza.
LOCAL: Paris, França
Fotos: Wikipédia, Tiago Tavares, Rodpires e Alegrão
Descrição tumular: HRubiales

TÚMULO DO SOLDADO DESCONHECIDO
No solo do Arco, situa-se o memorável Túmulo do Soldado Desconhecido (“Ici repose un soldat français mort pour la patrie”). As cinzas do incógnito combatente francês, morto durante os sangrentos conflitos da I Guerra Mundial, ali repousam desde 1920. Todo final de tarde, há uma comovente cerimónia do acender da chama no túmulo ao soldado desconhecido .
PAÍS: França
GUERRA: I Guerra Mundial
MORTOS: Mais de 1,5 milhões
ARCO DO TRIUNFO


MEMORIAL: ARCO DO TRIUNFO
O Arco do Triunfo (francês: Arc de Triomphe) é um monumento, localizado na cidade deParis, construído em comemoração às vitórias militares de Napoleão Bonaparte, o qual ordenou a sua construção em 1806. Inaugurado em 1836, a monumental obra detém, gravados, os nomes de 128 batalhas e 558 generais. Em sua base, situa-se o Túmulo do Soldado Desconhecido (1920). O arco localiza-se na praça Charles de Gaulle, uma das duas extremidades da avenida Champs-Élysées.
LOCAL:Paris,  França
DESCRIÇÃO DO ARCO
Diversos elementos arquitetônicos são dignos de detida e fiel observação. Trinta medalhões, localizados sob a bela cornija, fazem, cada qual, referência a importantes batalhas travadas pelo exército francês. O friso, por sua vez, retrata a partida (fachada leste) e o retorno (fachada oeste) das tropas imperiais, visto que estas conflitaram em diversas regiões do continente europeu.
Na fachada leste, os baixo-relevos aludem à batalha de Aboukir e à morte do general Marceau. À esquerda, situa-se o Triunfo de Napoleão. Este belo alto-relevo, de Cortot, representa a paz e a conquista napoleônica, alcançados pela celebração do Tratado de Viena (1810). Na alegoria, o imperador francês é coroado pela Vitória e reverenciado pela extinta Monarquia. À direita, situa-se a Partida dos Voluntários de 1792 (obra de François Rude), aptos a defender a recém-instaurada e revolucionária República. A liberdade, aqui, é representada pela guerreira e valente mulher, a comandar e a incitar o povo francês. Na fachada oeste, os alto-relevos impressionam pela intensa carga emotiva. Verifica-se a submissão do povo ao Estado e a crença, pelos populares, na vitória das forças armadas.
INTERIOR DO ARCO
No interior dos arcos menores, encimados por interessantes alegorias à marinha, à infantaria e a outras guarnições, constam gravados inúmeros nomes de importantes oficiais franceses, assim como diversas localidades nas quais se travaram decisivas batalhas no âmbito do expansionismo francês – Toulouse, Lille, Luxemburgo, Düsseldorf, Maastricht,Nápoles, Madrid, Porto, foz do rio Douro e Cairo, por exemplo.
Formatação, pesquisar: HRubiales
Fonte: Wikipidea