TÚMULO DO SOLDADO DESCONHECIDO

Túmulo do soldado desconhecido é o nome que recebem os monumentos erigidos pelas nações para honrar os soldados que morreram em tempo de guerra sem que os seus corpos tenham sido identificados. Por vezes é um túmulo simbólico, ou cenotáfio, evocando todos os habitantes de um país que morreram em determinado conflito sem identidade conhecida, embora alguns contenham os restos mortais de soldados falecidos durante esses acontecimentos.

TOMB OF THE UNKNOWN SOLDIER

Throughout history, many soldiers have died in wars without their remains being identified. In modern times, nations have developed the practice of having a symbolic Tomb of the Unknown Soldier that represents the war grave of those unidentified soldiers. They usually contain the remains of a dead soldier who is unidentified (or "known but to God" as the stone is sometimes inscribed) and thought to be impossible ever to identify, so that he might serve as a symbol for all of the unknown dead wherever they fell. The anonymity of the entombed soldier is key to the symbolism of the monument: since his or her identity is unknown, it could theoretically be the tomb of anyone who fell in service of the nation in question, and therefore serves as a monument to all of their sacrifices

quinta-feira, 5 de fevereiro de 2009

MONUMENTO AOS MORTOS DA II GUERRA-Arte Tumular-03-Rio de Janeiro, Brasil


MONUMENTO AOS PRACINHAS



MONUMENTO NACIONAL AOS MORTOS DA II GUERRA MUNDIAL
Também conhecido como “Monumento aos Pracinhas”,foi concebido em três planos que são a Plataforma, o Patamar e o Subsolo, numa área de 6.900 m2. e inaugurado em 05 de agosto de 1960, no atêrro do Flamengo, marina da Glória.

A PLATAFORMA
A Plataforma é uma estrutura de concreto armado em forma de L, colocada a 3 metros do solo. É pavimentada com placas de granito preto Tijuca, Possui, para o seu acesso, uma escadaria de 30 metros de largura, com 26 degraus revestidos de granito preto Tijuca. Situados na Plataforma estão o Pórtico Monumental, o Túmulo do Soldado Desconhecido, a Escultura Metálica, o Grupo Escultórico e a Pirâmide.
PÓRTICO MONUMENTAL
O Pórtico Monumental é composto de duas colunas e uma placa sobreposta simbolizando dois braços levantados com as mãos abertas, pedindo graças aos céus, com 31 metros de altura e são revestidas de granito. Tem 220 metros quadrados de superfície, sendo toda ela em concreto aparente.
TÚMULO DO SOLDADO DESCONHECIDO
O Túmulo do Soldado Desconhecido está situado entre a duas colunas do Pórtico Monumental. Nele encontram-se os restos mortais de um soldado
brasileiro morto na Campanha da Itália, não identificado.
O Túmulo é revestido de granito preto Tijuca e traz a inscrição “O Brasil ao seu Soldado Desconhecido”.
Existe nele uma pira simbólica, em bronze fundido, permanentemente acesa.
ESCULTURA METÁLICA
A escultura metálica, de autoria do arquiteto e escultor Júlio Cesar Catelli Filho, representa uma homenagem à Aeronáutica. Possui aproximadamente
19 metros de comprimento e 6 toneladas de peso. Foi executada em perfis de aço, soldados e pintados, e está localizada sobre duas bases (viga e pilar-suporte) Sua concepção plástica está baseada em elementos de um avião estilizado.
GRUPO ESCULTÓRICO
O Grupo Escultórico foi esculpido em granito de Petrópolis. Possui 5 metros de altura e 16 toneladas de peso. Representa um marinheiro, um soldado e um aviador, homenageando as três Forças Armadas. É de autoria do escultor Alfredo Cheschiati, tendo sido executado por Tito Bernucci.
PIRÂMIDE
A Pirâmide é uma homenagem à Comissão de Repatriamento dos Mortos do Cemitério de Pistóia e às empresas que participaram da execução do
Monumento. Nela se encontram inscrições relativas à obra, inauguração, comissões e equipe responsável pelo projeto. Foi feita em granito Juparanã lustrado.
O PATAMAR
O Patamar está no nível da praça onde encontram-se o museu, o jardim interior, o lago, os dois painéis de cerâmica que ladeiam a entrada para o mausoléu e os mastros.
O SUBSOLO: MAUSOLÉUO 
No Mausoléu, estão depositados, em jazigos com lápides de mármore Carrara branco, os restos mortais de 4 marinheiros, 8 aviadores e 454 soldados.
Numa das paredes revestida de mármore branco Paraná e quartzito verde Bahia, estão gravados os nomes de 1121 soldados e marinheiros das Marinhas de Guerra e Mercante.






AUTORES
Projeto: Marcos Konder Netto e Hélio Ribas Marinho. Escultura metálica: Júlio César Catelli Filho. Painéis de ceâmica: Araújo Medeiros.
MORTES: 943 soldados brasileiros morreram em combate.
LOCAL: Rio de Janeiro, Brasil
Formatação, pesquisa e descrição do memorial: Helio Rubiales
Fonte e fotos: Fundação Cultural do Exército Brasileiro e Emanuel Messias

Nenhum comentário:

Postar um comentário